Yahoo adia tempo de acordo com a Verizon após violações

A aquisição planejada do Yahoo pela Verizon levará mais tempo do que o esperado e não será fechada até o segundo trimestre deste ano, informou a empresa de internet na segunda-feira.

O acordo de US $ 4,8 bilhões estava originalmente previsto para fechar no primeiro trimestre, mas isso foi antes do Yahoo relatar duas violações de dados maciças que os analistas dizem que podem descartar todo o acordo.

Embora o Yahoo continue trabalhando para fechar a aquisição, ainda há trabalho necessário para cumprir as condições de fechamento do negócio, disse a empresa em uma declaração de resultados, sem elaborar.

A Verizon sugeriu que as violações de dados e o golpe resultante na reputação do Yahoo podem causar a interrupção ou renegociação do acordo..

Em setembro, o Yahoo disse que um "ator patrocinado pelo Estado" havia roubado detalhes de pelo menos 500 milhões de contas de usuário no final de 2014. Como se isso não bastasse, a empresa relatou outra violação em dezembro, desde agosto de 2013 e envolvendo 1 bilhão de contas de usuário.

Ambas as violações foram detectadas meses depois que a Verizon anunciou em julho passado que compraria a companhia de internet em dificuldades. Alegadamente, o Yahoo está enfrentando uma investigação da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA sobre se as violações deveriam ter sido relatadas aos investidores mais cedo.

As violações podem ter abalado a confiança nos negócios de internet do Yahoo. Mas a empresa já tomou medidas, como redefinições de senha, para proteger contas de usuário.

No entanto, algumas contas de usuário ainda estão vulneráveis. Na segunda-feira, o Yahoo disse que 90% de seus usuários ativos diários estavam protegidos contra a violação. Isso deixa outros 10% potencialmente expostos.

Entre as informações roubadas nas violações estavam nomes, endereços de email, números de telefone, senhas com hash e perguntas e respostas de segurança destinadas a proteger as contas. 

Participe das comunidades do Network World no Facebook e LinkedIn para comentar sobre os tópicos mais importantes.